26 de Dezembro de 2010
Rio de Janeiro, 09:25

Começou ontem à noite mais uma campanha antárctica. A minha 4ª, desde que comecei a trabalhar na região em 1999-2000. Dia de Natal semi-arruinado e partida de Lisboa às 23:35 num voo TAP para o Rio de Janeiro, onde me encontro. Estou à espera de um voo de ligação para Buenos Aires, onde de seguida embarcarei num outro voo para Ushuaia, a cidade mais austral do Globo. Aí, se tudo correr bem, amanhã, embarcarei no navio espanhol "Las Palmas" que nos levará às ilhas Shetland do Sul onde desenvolveremos os trabalhos de campo. O desembarque na Antárctida está previsto para 31 de Dezembro na ilha Deception.

Até agora, tudo está a correr bem. Consegui organizar o mínimo indispensável de bagagem e trago apenas bagagem de mão. Uma velha mochila Berghaus de 45l, uma pequena mala para o computador e um casaco polar e um impermeável com os bolsos completamente atafulhados de material. Oculos escuros, binóculos, estojos com líquidos, máquina fotográfica, ipod, conectores para diferentes instrumentos, uma consola DGPS. Tento levar tudo comigo porque com as curtas ligações entre voos, correria o risco de perder a bagagem se fosse enviada no porão. Uma péssima experiência na campanha de 2008-09 em que perdi toda a bagagem durante 3 dias levou-me a tomar esta decisão. Nesse ano fiquei com toda a roupa da campanha em duplicado e passei dois dias em Punta Arenas a comprar roupa para não correr o risco de passar a campanha...não sei bem como. A mala acabou por chegar à noite, na véspera da partida. Somando a isso, as 56h de viagem entre Lisboa e Punta Arenas devido a uma greve na Iberia e a uma sucessão de voos atrasados, foi um início verdadeiramente azarado.

Picture
Paragem 1 - Rio de Janeiro
Picture
Selva urbana - Buenos Aires
Picture
Trelew - Patagónia Argentina
Picture
Cordilheira Darwin à chegada a Ushuaia
 
    Picture
    Gonçalo Vieira é coordenador do Grupo de Investigação em Ambientes Antárcticos do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (CEG/IGOT-UL) e relatará neste blogue a sua experiência como responsável pela campanha PERMANTAR-2. Este projecto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, tem permitido a Portugal manter actividades regulares na região da Península Antárctica e a consolidar o seu papel internacional no estudo do solo permanentemente gelado (permafrost) e das consequências das alterações climáticas sobre ele.

    O PERMANTAR-2 é um projecto português que envolve parcerias com a Argentina, Brasil, Bulgária, Espanha e Estados Unidos da América.
    Picture

    Picture

    Picture

    Picture

    Arquivos

    February 2011
    January 2011
    December 2010

    RSS Feed