Base Antárctica Espanhola Gabriel de Castilla
17 de Janeiro de 2011

Passámos o dia em Crater Lake, no sítio de monitorização de permafrost e da camada activa. Uma das actividades desta campanha é a instalação de um gerador eólico que nos vai permitir garantir energia durante todo o ano para um aparelho de monitorização da congelação do solo. Para a montagem do gerador, foi necessário transportar até Crater Lake cerca de 500kg de equipamento, actividade que levámos a cabo há alguns dias, com a ajuda dos militares da base. Chegou agora o momento de pôr mãos-à-obra e de construir a sapata de cimento de 450 kg, que vai servir para fixar o gerador. Depois de construir a armação de ferro que ficou colocada no interior da sapata, fiquei com o Ivo a preparar o cimento e a construir a sapata durante toda a tarde. Felizmente, esteve um vento moderado e não choveu, nem nevou, mas estavam cerca de 0ºC, o que acabou por ser refrescante, no meio de tanto trabalho. Terminámos às 19h00, completamente esgotados e aliviados por termos conseguido terminar a estrutura sem problemas. Fica a faltar colocar o gerador, que pesa cerca de 150 kg...será uma tarefa para o início de Fevereiro, a levar a cabo pelo Ivo, Gabriel e Horácio, da base argentina, com o apoio dos colegas espanhóis.

O processo de instalação do gerador eólico tem uma longa história, tendo passado por uma fase de avaliação de impacte ambiental, onde tivemos que garantir que o impacte da estrutura no terreno seria mínimo e transitório. Toda a montagem foi feita com o cuidado de não deixar resíduos e quando deixarmos de precisar de usar o gerador, teremos que desmontar toda a estrutura. Em princípio, ainda faltarão vários anos para isso suceder, pois este é um dos locais de monitorização do permafrost da Global Network for Permafrost, que tencionamos manter a longo prazo. Na Antárctida, todas as actividades científicas passam por processos de avaliação de impacte ambiental, tal como previsto no Protocolo de Protecção Ambiental do Tratado da Antárctida. Há ainda dois tipos de classificação para as áreas antárcticas protegidas: as ASMA (Antarctic Specially Managed Areas) e as ASPA (Antarctic Specially Protected Areas). A ilha Deception é, toda ela, uma ASMA, pelo que as actividades devem ser especialmente cuidadas, com um processo de avaliação de impacte ambiental especial. Nas ASPA, a protecção é muito maior e são áreas cujo acesso é mesmo proíbido, sem uma autorização especial.

Picture
Ivo, Gabriel, eu e o Marc em Crater Lake.
Picture
Ivo a fazer cimento para a sapata.
Picture
Com o Ivo ao final do dia, orgulhosos da obra de arte.
 


Comments

f e p
02/10/2011 01:44

gostámos de ver este blog.
Acho que é muito interessante!!!

Reply
01/25/2012 12:33

Nice one info, thanks

Reply

THX for info

Reply
03/22/2012 17:53

will be restored quickly

Reply
09/29/2012 11:01

good post

Reply



Leave a Reply

    Picture
    Gonçalo Vieira é coordenador do Grupo de Investigação em Ambientes Antárcticos do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (CEG/IGOT-UL) e relatará neste blogue a sua experiência como responsável pela campanha PERMANTAR-2. Este projecto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, tem permitido a Portugal manter actividades regulares na região da Península Antárctica e a consolidar o seu papel internacional no estudo do solo permanentemente gelado (permafrost) e das consequências das alterações climáticas sobre ele.

    O PERMANTAR-2 é um projecto português que envolve parcerias com a Argentina, Brasil, Bulgária, Espanha e Estados Unidos da América.
    Picture

    Picture

    Picture

    Picture

    Arquivos

    February 2011
    January 2011
    December 2010

    RSS Feed