Picture
Refugio Chileno, na costa oriental da caldeira de Port Foster
Picture
Crater Lake e caldeira Port Foster (Whallers Bay).
Depois da longa saga da Maria de ontem, só nos restava recuperar da ressaca com um longo dia de trabalho. Felizmente, o tempo ajudou. Depois dos últimos dias de vento e neve, o dia de hoje esteve fantástico. Céu praticamente limpo, sem vento e um final da tarde em que a caldeira esteve um espelho.Saímos às 9h30 da manhã de zodiac em direcção às ruínas do refugio chileno, do outro lado da caldeira. Tinhamos apenas 3 horas para fazer uma série de actividades, num dos locais em que estamos a monitorizar o permafrost. O Ivo pôs mãos-à-obra na sondagem de monitorização das temperaturas da camada activa, fazendo trabalhos de manutenção da tampa e recolhendo os dados do ano anterior. O Jim fez um reconhecimento de terreno e estudou dois perfis de solo, para o mapa da ilha Deception. O Gabriel ficou encarregue do levantamento topográfico com GPS, enquanto eu e o Marc fizemos o levantamento com a estação total. Naquela área, estamos principalmente interessados na subsidência do terreno pela fusão do gelo que se encontra em profundidade. Ainda não conseguimos esclarecer bem qual o processo, nem as taxas de subsidência, mas a cada dia de trabalho de campo, vamos fazendo novas observações e é um prazer ver que cada vez compreendemos melhor a dinâmica desta ilha mágica.

À tarde, depois de um grande almoço na base, fui com o Ivo e com o Gabriel para Crater Lake. Estivemos até às 19h30 a medir a deformação do terreno e a abrir um buraco para instalar um gerador eólico que nos permitirá manter os equipamentos de monitorização funcionais durante o Inverno antárctico. O Jim e o Marc ficaram pelo laboratório da base a tratar de secar as amostras de solo recolhidas nos dias anteriores.

Os trabalhos avançam a boa velocidade e temos praticamente toda a parte relacionada com a manutenção de instrumentos e de medições topográficas, efectuada, o que nos deixa alguma margem para discutir melhor os trabalhos do Ivo e do Gabriel que ficarão na ilha até meados de Fevereiro. Entretanto, no dia 21, eu, o Jim e o Marc, iremos para a Base Bulgara na ilha Livingston, onde nos espera uma infindável lista de tarefas.
 


Comments

Vanessa Batista
01/16/2011 15:58

Saudades destas andanças! Estarei por aqui a acompanhar-vos.
Bjs a todos

Reply

good post

Reply
01/27/2012 19:08

Great info, thx

Reply
03/21/2012 12:32

Many thanks for details

Reply
03/27/2012 17:57

Thanks for info

Reply
03/29/2012 15:52

THX for info

Reply
03/30/2012 12:01

THX for info

Reply
07/11/2012 19:45

will be restored quickly

Reply



Leave a Reply

    Picture
    Gonçalo Vieira é coordenador do Grupo de Investigação em Ambientes Antárcticos do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa (CEG/IGOT-UL) e relatará neste blogue a sua experiência como responsável pela campanha PERMANTAR-2. Este projecto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, tem permitido a Portugal manter actividades regulares na região da Península Antárctica e a consolidar o seu papel internacional no estudo do solo permanentemente gelado (permafrost) e das consequências das alterações climáticas sobre ele.

    O PERMANTAR-2 é um projecto português que envolve parcerias com a Argentina, Brasil, Bulgária, Espanha e Estados Unidos da América.
    Picture

    Picture

    Picture

    Picture

    Arquivos

    February 2011
    January 2011
    December 2010

    RSS Feed